Artigo: Estilo Clínico Ser e Fazer: Resposta Crítico-Propositiva a Despersonalização e Sofrimento Social

Autoria: Tânia Maria José Aiello-Vaisberg

Revista Bol. Acad. Paulista de Psicologia, São Paulo, Brasil – V. 37, no 92, p. 41-62

O presente artigo tem como objetivo propor, fundamentar e ilustrar uma modalidade de atendimento clínico, criada há duas décadas na Universidade de São Paulo com vistas à implantação em contextos institucionais, conhecida como estilo clínico Ser e Fazer, que tem revelado comprovada eficácia clínica na abordagem de variadas condições, que envolvem personalização, como os sofrimentos sociais. Para tanto, expõe seus fundamentos teóricos, que se situam numa articulação entre as exigências epistemológicas da psicologia concreta e uma leitura não desenvolvimentista do pensamento winnicottiano. Realiza, também, uma revisão critica da psicopatologia psicanalítica e questiona um certo uso das series complementares freudianas, que supervaloriza de modo apriorístico a experiência emocional infantil, enquanto subestima os acontecimentos da vida adulta, que se imbricam claramente com as condições da vida social. Por esta via, assume a proposição de uma clínica baseada no holding com vistas a favorecer experiências de integração, que são concebidas como forma de superação dos efeitos de interações patológicas despersonalizantes, por meio das quais se expressam discriminação, exclusão e opressão social. Um caso clínico é apresentado com vistas a tornar a exposição mais vívida e concreta. Como conclusão, afirma a importância da psicologia clínica que não se confunde com intervenções que buscam transformações da realidade social. Como conclusão, o texto afirma a importância e especificidade da psicologia clínica na abordagem do sofrimento social.

Link para o artigo

http://pepsic.bvsalud.org/pdf/bapp/v37n92/v37n92a05.pdf