De autoria de Cristiane Helena Dias Simões, Miriam Tachibana e Tânia Maria José Aiello Vaisberg, o texto foi publicado nos Anais da XI Jornada APOIAR: “Adolescência: Identidade e Sofrimento na Clínica Social”, 2013.

 

RESUMO

A pesquisa tem como objetivo investigar psicanaliticamente o imaginário coletivo de técnicos de enfermagem psiquiátrica sobre o paciente psiquiátrico. Justifica-se na medida em que as práticas de cuidado ocorrem por meio de interações muito próximas, que certamente provocam mobilizações afetivo-emocionais nos trabalhadores. Para tanto, foi realizada uma entrevista grupal com três profissionais de uma mesma equipe de uma instituição psiquiátrica, ao redor de um recurso mediador-dialógico, o Procedimento de Desenhos-Estórias com Tema, sobre o tema “um paciente psiquiátrico”. O conjunto de desenhos-estórias foi considerado segundo o método psicanalítico, permitindo a criação/encontro interpretativo de dois campos de sentido afetivo-emocional: “Quem é o louco de verdade?” e “Todos podem enlouquecer”. O quadro geral indica que, paradoxalmente, o coletivo sustenta um imaginário discriminatório e inclusivo. Observamos a necessidade de intervenções voltadas a esse grupo social, visando à transformação de imaginários conservadores e preconceituosos.

Texto completo:

ver em pdf