Tania Mara Marques Granato, Elisa Corbett e Tânia Maria José Aiello Vaisberg

 

RESUMO

Desde sua origem a Psicanálise tem se ocupado das narrativas de pacientes que tecem suas vidas em histórias, reconhecendo nesse gênero expressivo da dramática humana a fonte de suas investigações. Além disso, os psicanalistas têm feito uso de narrativas transferenciais a fim de comunicar suas experiências clínicas à comunidade científica, contribuindo para a produção de conhecimento nessa área. A afinidade orgânica que une o narrar ao viver autoriza-nos a conceber a narrativa como modalidade de elaboração afetivo-emocional do vivido. Seguindo o percurso que nos conduz da narrativa do paciente à narrativa do clínico, chegamos às narrativas interativas como proposta metodológica que retoma o narrar em seu potencial heurístico e restitui a interlocução como locus da produção de conhecimento em ciências humanas. A título de ilustração, apresentamos uma das narrativas interativas criadas como convite à elaboração de um conflito materno, seguida da narrativa de um dos participantes de um grupo-piloto.

Texto completo:

ver em pdf